Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Corte e costura...

Vivo no presente, o passado está lá atrás, e é lá que pretendo que ele permaneça...o futuro virá e aqui estou eu de braços bem abertos e com um largo sorriso no rosto, ansiosamente à espera de o receber!

Corte e costura...

Vivo no presente, o passado está lá atrás, e é lá que pretendo que ele permaneça...o futuro virá e aqui estou eu de braços bem abertos e com um largo sorriso no rosto, ansiosamente à espera de o receber!

Incontrolável...se verdadeiro!

Janeiro 29, 2014

Sem voltar atrás...

"...o amor quer-se fresco, tal qual o peixe na lota. O amor tem de saber a mar, a terra húmida depois da chuva, a leite do dia à porta de casa. O amor tem de ser também do dia porque, se assim não for, acontece-lhe o mesmo que à manteiga quando está há muito tempo no frigorífico: fica rançosa. E o amor não se quer rançoso - não quer não - e por isso quem ama ou já amou ou ainda virá a amar mas ainda não sabe disso, facilmente saberá que mesmo nos dias de maior calor, o amor - tal como o fogo - não pode nunca ser congelado. Quando muito pode extinguir-se, apagar-se com umas mangueiradas de água, agora congelar para servir mais logo, não creiam nisso. O amor quer-se de vez, e quando se dá, vai por ali a eito, lavrando encostas, galgando montes, galopando por entre os cabelos. O amor é um incêndio que os bombeiros não conseguem controlar. E quando o chefe da corporação diz que ele não está circunscrito, para mim é sobre o amor que fala em forma de fogo. O amor é um incêndio sim, incontrolável sim, se verdadeiro, nunca será circunscrito!"

 

http://coisasdamariarita.blogs.sapo.pt/

 

O MILAGRE DA VIDA - Parte II

Janeiro 24, 2014

Sem voltar atrás...

"A reprodução medicamente assistida (RMA), também chamada procriação medicamente assistida (PMA) é o processo segundo o qual são utilizadas diferentes técnicas médicas para auxiliar à reprodução humana. A inseminação Intrauterina (IIU) consiste em depositar os espermatozoides, previamente capacitados em laboratório, no interior do útero, usando meios artificiais.”

 

 

2º CICLO IIU  Dezembro 2013

 

28 de Dezembro,  1º dia do Ciclo – Menstruação;

01 de Janeiro, 5º dia do ciclo – Injeção 150ml “Gonal F” (Objectivo: estimular os meus ovários);

03 de Janeiro, 7º dia do ciclo - Injeção 150ml “Gonal F”;

05 de Janeiro, 9º dia do ciclo - Injeção 150ml “Gonal F”;

08 de Janeiro, 12º dia do ciclo – 08h30, Consulta Hospital Santa Maria, Serviço de Infertilidade – Avaliação e monitorização do endométrio e confirmação da existência de folículos. Três folículos, um dominante de 18mm, ovário esquerdo. 23H45, injeção “Pregnyl” (Objectivo: fazer eclodir os folículos a fim de libertar os óvulos.) Abstinência sexual (não conseguida em vésperas da IIU);

10 de Janeiro, 14º dia do ciclo. 08h00, laboratório reprodução humana no Hospital Santa Maria. Recolha esperma (perdido metade no momento da ejaculação). 11h30, de volta ao laboratório reprodução humana, é feita a Inseminação propriamente dita. 30m de repouso absoluto. Vida normal a partir daí;

12 de Janeiro , 16º dia do ciclo – Início da toma diária  “Uterogestan - Progesterona” 300mg (objetivo: fortalecer as  paredes do útero, para uma eventual implantação de um embrião), até ao início da menstruação ou até às 12 semanas caso exista implantação de um embrião.

17 de Janeiro , 21º dia do ciclo – 8 dias após a inseminação, ligeira perda de sangue e dores pélvica com maior incidência sobre o lado esquerdo.

24 de Janeiro, 28º dia do ciclo – 15 dias após a inseminação – 10H00, menstruação...{#emotions_dlg.sad}

 

 

Tenho medo...medo da solidão que desconheço, medo do dia que virá e que se torne apenas isso, mais um dia entre os muitos que estarão para vir, medo que os meus sonhos não passem apenas disso mesmo, medo que esta causa se torne perdida, medo do fracasso enquanto mulher, mãe e filha, medo do desconhecido e ódio pelo conhecido, medo daquilo em que me posso vir a tornar, pavor que a dor não desapareça!

Preciso fazer as pazes com a vida e com Deus...estou zangada...muito zangada, e nada nem ninguém me alivia o peso que carrego! Se eu pudesse voar, batia as asas e carregaria comigo apenas a certeza daquilo que quero! A realidade é que vou remendando com fios de seda, os rasgos da minha alma e do meu coração! É hora...hora de juntar os “cacos” e refazer o que se desfez...mais uma vez, aqui vou eu!

ESTÁS AQUI

Janeiro 22, 2014

Sem voltar atrás...

É hora de ir dormir. E mais uma vez só eu continuo aqui a divagar por entre os pensamentos que me distraem e me afastam do sono. Nos meus sonhos, eu vejo-te, sinto-te, abraço-te, beijo-te, protejo-te...estás a um palmo de mim embora não te consiga tocar. Nunca fui muito boa a desenhar caras, mas a tua eu consigo visualizar...os meus olhos e o sorriso do pai! Conheço-te bem demais e encontro-te facilmente por entre a distância que nos separa. És tu! Mesmo que o teu corpo não esteja nos meus braços, mesmo que não consiga sentir o toque da tua pele, sinto o teu cheiro em mim, o teu cheiro de bebé! Assim, desta forma, consigo ser eu, e consigo ter-te aqui no meu colo, mesmo sem te ter. Basta-me, por agora. Basta-me o silêncio entre nós, o olhar cúmplice e a gargalhada que o pai e a mana dão ao ver-te expressar o primeiro sorriso. Basta-me sentir o teu cheiro inodoro que transmite a paz do mundo. Pelo menos no meu. 

Por isso mesmo, para quê dormir se voltam os pesadelos? Para quê ligar a televisão e  distrair-me com a infelicidade ou felicidade dos outros? O sangue dos que morrem e as lágrimas dos que vivem? Não obrigada! Esta noite e só esta, deixa-me sonhar. Deixa-me acreditar que basta esticar o braço e sentir a tua mãozinha. Algures, a guiar-me, a ver-me, a proteger-me. Deixa-me acreditar que estejas onde estiveres, estás aqui, pelo menos esta noite!

 

Esta noite tive um sonho...

Janeiro 21, 2014

Sem voltar atrás...

 

...sonhei que falava com Deus, em que nos tratámos por “tu”, abaixo se segue o diálogo.

 

Eu: “Às vezes parece que não me vês, que não me ouves...”

Deus: “Ainda no sábado disseste ao teu babe que nem tudo o que parece é e nem tudo o que é parece...”

Eu: “Pois disse, mas o babe é um ser humano e por conseguinte, um ser imperfeito, tu não!  És uma divindade, o pode tudo, o vê tudo, o está em todo o lado...”

Deus: “É mais ou menos por aí, mas vocês humanos não creem nisso na maioria dos casos, tal como tu não o crês verdadeiramente quando falas comigo, certo?”

Eu: “É verdade, mas fico sempre com uma réstia de esperança que me dás alguma atenção... ”

Deus: “E dou, ouço-te e também te dou respostas, mas mais uma vez, só vês e ouves o que queres ver, os sinais passam-te ao lado, e eu entendo o porquê!”

Eu: “Entendes? Continuas a gostar de mim mesmo sendo eu tão imperfeita e com tão pouca fé?”

Deus: “Se a tua filha te desiludisse e magoasse, deixarias de a amar com todas as tuas forças?”

Eu: “JAMAIS!”

Deus: “Ora...aí tens a tua resposta!”

Eu: “Eu peço-te tão pouco pá, não quero mais dinheiro do que aquele que ganho com o meu trabalho, embora uns trocos a mais soubessem pela vida, mas já viste bem o que eu quero na realidade? Não quero fama, nem riquezas, quero apenas...apenas aquilo que tu tão bem sabes...”

Deus: “E por acaso já me viste ou ouviste dizer que não?”

Eu: “Isso não é resposta, não para um Deus! Não dizes que não nem que sim, às vezes duvido mesmo da tua existência, desculpa ser sincera, mas tinha mesmo que te dizer isto!”

Deus: “Vocês humanos passam a vida a olhar para o vosso umbigo, são egoístas, egocêntricos e deixam de aproveitar o bom daquilo que têm, em função daquilo que querem ter! Entendes-me?”

Eu: “Eh lá, estamos a atacar? A pôr as garras de fora é? Eu preciso de consolo, não de palmadas! Não era suposto seres assim para mim Deus!”

Deus: “Pois é isso mesmo que por vezes me apetece, ir aí a baixo e dar-vos uma boas palmadas, não são vocês humanos que passam a vida a dizer que uma boa palmada no rabo dos vossos filhos a tempo e horas nunca fez mal a ninguém? Pois bem, muitos de vós é o que realmente merecem! Agridem-se, vivem sem respeito uns pelos outros, magoam-se e no final de tudo nem dão conta dos verdadeiros tesouros que têm nas vossas vidas!”

Eu: “Não te zangues comigo, por favor...”

Deus: ”Eu não estou zangado, apenas te estou a dizer as verdades, tal como tu me disseste a mim...desculpa também ser sincero! ”

Eu: “Uaaaau...Deus a pedir-me desculpa? Eu desculpo, mas voltando ao assunto inicial...tens ouvido o que te tenho pedido?”

Deus: “Não sou surdo...”

Eu: “Ótimo, então e porque é que continua tudo na mesma? E já agora, mas que respostas são essas vindas de um Deus? Falas de uma maneira muito à frente pá! :)”

Deus: “Também tenho o coração perto da boca, e tenho acompanhado o evoluir dos tempos e da linguagem, aguenta-te...pá :)! Sempre apressada esta minha filha, vive mais devagar, é hora de abrandar e verás que no momento certo terás o que me tens pedido...”

Eu: “Estou a ficar velha...e com tanto sono...desculpa não rezar...ou rezar tão pouco!”

Deus: ”Dorme então minha filha, já é tarde e amanhã tens mais um dia de trabalho pela frente...e sim, devias rezar mais, ou então cantar para mim, eu gosto de vos ouvir! Quanto a estares a ficar velha...tás com mais idade sim, mas não queiras na realidade saber o que é ser velho!”

Eu: “É...até amanhã...e não me deixes...não te esqueças de mim...”

Deus: “Nem tu a mim...não me deixes nem me esqueças! Vou estar sempre por perto...”

 

...azarito e coiso!

Janeiro 20, 2014

Sem voltar atrás...

Há coisas que não entendo. Umas ainda vou entender e outras que nunca entenderei. Mas daquilo que entendo ou daquilo que sou feita, agradeço que se abstenham de comentários se nunca quiseram realmente conhecer-me...e não...não vou pedir desculpa por ser como sou. Quem gosta, gosta...quem não gosta, não gosta e azarito e coiso!

 

Pág. 1/2

Contagem

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D