Quinta-feira, 25 de Julho de 2013

“Emmanuelle” (Parte I)

(...)”os joelhos de Emmanuelle estão expostos sob a luz dourada emanada pelos difusores(...)pouco a pouco, ao mesmo tempo que a superfície dos lábios se humedecia, os seios aumentavam de volume e as pernas estendiam-se, atentas ao mínimo contacto, o cérebro começou a delinear imagens, de começo quase sem contornos, mas que bastaram para lubrificar-lhe as mucosas e arquear-lhe os rins(...)uma onda de calor subia-lhe ao longo das pernas, partindo dos joelhos, repercutindo-se, inexoravelmente, pela superfície das coxas, cada vez mais acima, envolvendo Emmanuelle numa doce agitação(...)Os fantasmas começaram a surgir com carácter obsessivo: lábios que lhe pousavam na pele, órgãos sexuais de homens e mulheres (cujos rostos se mantinham ambíguos), falos, ansiando tocar-lhe, esfregar-se nela, conseguir passagem entre os seus joelhos, apartando-lhe as pernas e penetrando-lhe o sexo com esforço, que a inundavam de prazer. Os movimentos definiam-se por um avanço permanente; não voltavam atrás; enterravam-se, uns após os outros, no corpo desconhecido de Emmanuelle, pelo estreito caminho que não se cansavam de explorar, dando a sensação de jamais encontrarem uma barreira ao percurso efectuado, avançando infinitamente no interior dela, saciando-a de carne e inundando-a de sucos com sabor a eternidade(...)a mão direita desliza agora, muito devagar, ao longo do ventre, detendo-se ao alcançar a altura do púbis, sob o cobertor leve, que tal percurso fazia ondular. Mas quem poderia vê-la nessa penumbra? Com as pontas dos dedos explorava, pressionava a seda macia da saia que, de tão justa, impedia que as pernas se abrissem; estas foram esticando o tecido no esforço para se separar, até que, por fim, concederam a passagem suficiente para que os dedos sentissem, através do tecido delicado, o botão de carne em erecção, que eles procuravam e que apertaram docemente(...)tentava retardar o final. Mas, em breve, não o conseguindo, começou com um gemido abafado, a imprimir ao dedo médio o impulso, cuidadoso e suave, que deveria levá-la ao orgasmo(...)mordendo os lábios para conter o soluço que lhe subia da garganta, os rins arqueados, ofegava no desejo do espasmo que terminara”(...)

 

Estou...:
publicado por Sem voltar atrás... às 16:18

link do post | Falem... | favorito
|

.Eu vivo... Sinceramente eu vivo! Quem sou eu? Bem, isso já é pedir demais...

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Portas abertas...

. Vidas em suspenso...

. Manuel de sobrevivência p...

. Francamente cansada...

. O MILAGRE DA VIDA - Parte...

. O MILAGRE DA VIDA - Parte...

. Em contagem decrescente.....

. O MILAGRE DA VIDA - Parte...

. O MILAGRE DA VIDA - Parte...

. FILHOS DA MADRUGADA

. Momento zen do dia...

.Sinais do tempo...

. Junho 2017

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Abril 2016

. Fevereiro 2015

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

.Contagem