Sexta-feira, 5 de Julho de 2013

O DRAMA DA INFERTILIDADE

 

 

Uma casa, um carro, uma carreira, um marido ou uma mulher e 2 filhos...se vocês optarem por viver de forma convencional, provavelmente vão passar os dias “à procura” de todos os itens que mencionei atrás. A maioria deles está sob o nosso controle. Se quiserem um carro ou uma casa, economizam e compram, ou pedem o dinheiro emprestado a uma instituição bancária. Se quiserem ser um profissional bem-sucedido, estudam, aplicam-se, preparam-se e enfrentam o cruel mercado de trabalho.

Mas se vocês desejam ter filhos, o que é que acontece se o vosso corpo não responder a uma gravidez com sucesso? A infertilidade é algo sobre o qual não falamos muito. Assim, para concretizar o sonho de ter filhos é preciso romper a barreira do silêncio. O estigma relacionado à infertilidade impede-nos de discutir o assunto de forma adequada.

Em relação à infertilidade, ainda não chegamos ao ponto em que as pessoas estão prontas para se abrir. Até mesmo a sociedade normazita a infertilidade, não esperem ver pessoas a correr e a apregoar aos 7 ventos: “Eu sou infértil!”. Regra geral, o tema é discutido dentro de 4 paredes e por entre as consultas no serviço de infertilidade das clínicas ou hospitais públicos. Mais do que isso, é quase um tormento a abordagem do assunto. No trabalho, aquando das consultas, pede-se uma justificação de consulta de ginecologia e não de infertilidade...entre amigos quando ouvimos a pergunta “Quando é que têm um bebé?” a resposta normalmente é que estamos a tratar disso!

É urgente que as mentalidades se abram, não só para quem vive o drama da infertilidade, mas principalmente para aqueles que estão mais próximos dos casais com esse problema. Ter filhos nos dias que correm, é uma opção, e o que eu gostava mesmo, é que a maioria das meninas/mulheres que optam pela Interrupção Voluntária da Gravidez (não utilizo o sinónimo mais conhecido porque me parte o coração) tivessem apenas uma pontinha da “dor” que nós, mulheres com problemas de infertilidade, sentimos a cada mês em que o nosso corpo nos volta a dizer: “Não...ainda não foi desta”!

Estou...:
publicado por Sem voltar atrás... às 15:18

link do post | Falem... | favorito
|
3 comentários:
De Anabela a 7 de Julho de 2013 às 13:51
Por isso é que sempre que ouço nas noticias, sobre mães que matam os filhos à nascença ou que os mal tratam...penso na quantidade de mulheres que desejam ser mães e que dariam mães fantásticas não o conseguem. Nem sempre a vida é justa!
De Sem voltar atrás... a 8 de Julho de 2013 às 12:04
...neste caso, a vida é profundamente injusta...
De carina faria a 20 de Setembro de 2013 às 16:14
tambem tento a 6 ans por esse sonho e tantas k so p n estragar o corpo os matam sao capases d logo d seguida j ter outro

Comentar post

.Eu vivo... Sinceramente eu vivo! Quem sou eu? Bem, isso já é pedir demais...

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Portas abertas...

. Vidas em suspenso...

. Manuel de sobrevivência p...

. Francamente cansada...

. O MILAGRE DA VIDA - Parte...

. O MILAGRE DA VIDA - Parte...

. Em contagem decrescente.....

. O MILAGRE DA VIDA - Parte...

. O MILAGRE DA VIDA - Parte...

. FILHOS DA MADRUGADA

. Momento zen do dia...

.Sinais do tempo...

. Junho 2017

. Maio 2017

. Janeiro 2017

. Abril 2016

. Fevereiro 2015

. Outubro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

.Contagem